Terça, 21 Julho 2020 14:20

Projeto que institui o Dia da Mulher no Agronegócio é proposto pelo Deputado Roosevelt Vilela e aprovado em plenário

No mês em que se comemora o Dia Internacional da Mulher (08 de março), a Câmara Legislativa se dedica à análise de uma série de proposições para as mulheres.

Na sessão desta terça-feira (10), foi aprovado projeto de lei 767/2019, de autoria do Deputado Roosevelt Vilela, que institui o Dia da Mulher no Agronegócio, a ser comemorado em 18 de julho de cada ano.

Na avaliação do Deputado Roosevelt, a participação das mulheres no agronegócio tem crescido no país. “Cada vez mais elas se fazem presentes no campo do agronegócio e atuando em áreas importantes como pecuaristas, pesquisadoras, agricultoras, executivas de empresas do setor e empreendedoras”, disse.

Segundo Emater, elas já são 38% dos agricultores cadastrados na capital e estão assumindo, cada vez mais, dianteira nos negócios.
Nas áreas rurais do Distrito Federal, tratores são pilotados por mulheres. A função tradicionalmente desempenhada por homens também passou a ser delas na capital federal. O exemplo ilustra uma realidade em constante transformação: as mulheres estão ocupando, cada vez mais, a dianteira dos negócios no campo.

Segundo a Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater), elas representam 38% dos produtores cadastrados no DF. Do universo de 46.200 beneficiários, 17.688 são mulheres – que assumem administração, plantio, colheita, comércio e gestão financeira.

De acordo com Pesquisa realizada pela Associação Brasileira do Agronegócio (Abag), as mulheres que atuam no agronegócio são responsáveis pela gestão de, no mínimo, 30% do segmento. O agronegócio representa 25% do PIB e as mulheres desse setor são responsáveis pela gestão de pelo menos 8% do PIB nacional, algo em torno de US$ 165 bilhões.

Segundo um estudo realizado pelos pesquisadores do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), da Esalq/USP, nos últimos anos houve um aumento de 8,3% do número de mulheres no agronegócio. A participação da mulher no mercado de trabalho do agronegócio cresceu consistentemente, passando de 24,11% para 27,97%, entre 2004 e 2015.
O projeto atende demanda do segmento do agronegócio e seguirá para a sanção do governador. Confira o PL clicando aqui